segunda-feira, 2 de agosto de 2010

SONHOS IDOS

Tentei, quis ser e não fui
E não sendo
acreditei que não sonhei como devia

Fui poeta, artista
Cantora, pianista
Conheci o mundo inteiro
e o mundo me consagrou.
Acreditei que cantava
Encarei plateias e fui aplaudida.
Libertei na voz a alma escondida
E desperta ainda, continuei a cantar.

Fui artista, roteirista,
Desempenhei inúmeros papeis
Em peças que eu mesma escrevi
E que não sendo, de fato não as vivi

Fui poeta, versista
De rimas pobres, quebradas
Quis dizer tudo e não disse nada
Estéries minhas doces inspirações

Quis ser, não fui e nem sou
Sou apenas mais uma que sonhou viver
E não viveu o que de fato sonhou


De “ista” em “ista
Foi grande a minha lista
E pequena a minha lucidez


Para que aterrissei?
Não sei.
Não me encontrei aqui
Joguei, julguei, representei

E sem morrer, morri.
Rio, 1989. Jailda ,

Nenhum comentário: