quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Minha Mãe

 


Minha mãe é tão bonita,    
  Poema que os olhos dita.
  Puro amor em profusão.
  Minha mãe é tão bonita
  Que mesmo o maior artista,
  Não lhe pinta a perfeição.

  Suas mãos tão calejadas,
  Escondem dedos de fadas,
  Que o tempo não mudou não.
  Trabalho, luta e jornadas,
  Suas mãos foram talhadas
  Pra servir ao coração.

  Seu cabelo solto, leve...
  Parece fios de neve,
  Branquinhos como algodão,
  Nas marcas que a vida tece,
  São como contas de prece
  De um rosário de oração.

 Seu olhar negro profundo,
Em prece, pede que o mundo
Tenha mais paz e união,
Seu amor é oriundo,
Dá fé em Deus, que no fundo,
Lhe enobrece o coração.

 Minha mãe que embalou berço,
Seus conselhos, não me esqueço,
E sigo-os sem hesitação.
Orando com todo apreço,
Em prece, a Deus agradeço.
Minha mãe, minha canção.

 
Minha mãe é mais bonita
Hoje, aos pés do Grande Artista,
O “EU SOU” da Criação.
Na Cidade Prometida,
Todo o esplendor ela fita,
Na mais feliz comunhão.



Um comentário:

Vane disse...

Assino em baixo.
Vane